domingo, 24 de fevereiro de 2013

Eu fico esperando a hora de postar, como se minhas palavras só fossem ter graça diante de uma viagem incrível ou um apontamento interessante. Mas hoje resolvi que não, nem sempre.

Do último post pra cá, eu tive sim uma viagem linda. Fui pro Reino Unido, numa viagem de um final de semana só, mas conheci Edimburgo (a da foto), Durham e Newcastle Upon Tyne - respectivamente, a capital da Escócia e duas cidadezinhas fofas no norte da Inglaterra. E o que eu vi foi tudo aquilo que a gente lê sobre eles e acha que é exagero dos livros, filmes e seriados: a universidade de Newcastle, os táxis, os telefones públicos vermelhos, o sotaque maluco. Edimburgo é uma cidade peculiar, toda pintada em tons de verde musgo e coberta pelo som de uma gaita de fole que não dá pra saber se toca de verdade ou só dentro da gente. Durham é estar dentro dos cenários do Harry Potter e entender um pouquinho de onde veio toda a imaginação borbulhante da JK Rowling. Newcastle é se sentir em casa por estar na casa de alguém que é tão de casa. Explico: a companhia da vez era a Fernanda, minha prima que nunca precisou de sangue igual pra me ser tão querida.

Mas devo dizer que, apesar de maravilhosa, uma das coisas que mais marcou essa viagem foi o fato de eu estar passando mal. E muito, devo dizer. É até engraçado, porque em todas as minhas viagens até agora algo deu errado. Eu já passei mal, já me atrasei, já cancelaram meu trem, já entrei no trem errado, já já já e já milhares de coisas. E eu nunca me dei ao trabalho de contar nada disso por aqui, porque no final, é sempre pequeno perto de tudo de lindo que meus olhos viram. Mas na vida real, eu chego de viagem e já digo pras amigas: senta que lá vem história! - porque sempre tem alguma mini-tragédia pra contar.

Dessa vez, eu confesso que passei a viagem inteira resmungando, porque não dava pra acreditar que eu tinha chegado até lá e iria "desperdiçar" o momento daquele jeito. Eu tive de tudo um pouco: desmaio, sinusite, dor, diarreia, vômito, blábláblá. Consegui aproveitar bastante, mas aquela não era eu no meu estado normal e aquilo me irritou profundamente. E quando eu voltei: pam! Tive que me cuidar sozinha - e agora, finalmente, chegamos no x da questão desse texto.

Meus hosts tinham viajado também e as crianças chegariam só no dia seguinte pra ficar comigo. E não dava mais para esperar, porque nenhuma mágica ia me fazer ficar boa do dia pra noite, mas especialmente, porque não tinha minha família pra me medicar ou plantão da Unimed pra me atender a qualquer hora. Eu fiz uma jantinha-de-doente e passei a noite sozinha, fui ao médico e comprei remédios sozinha. Isso tudo, claro, em holandês, sem saber como funcionava nada do meu seguro, e obviamente, de bike.

No final - fiquem calmos! - deu tudo certo, eu sobrevivi e alguns dias depois já estava bem melhor. Mas fica aquela coisa de "me virei", sabe? Você se vira, mesmo que não saiba como isso aconteceu. É como diz o ditado, a necessidade faz o sapo pular. Você se vira, você aprende, e os dias vão passando numa velocidade que não se explica.

Na última semana eu completei quatro meses de Holanda. Quatro meses que são muito pouco pra quem ainda tem tanto pra ver, mas que já são tanto se analisadas as saudades do Brasil e os tantos laços criados por aqui. Em quatro meses, eu já consigo pedalar na chuva ou na neve e até com a bakfiets lotada e atéé (admirem-se!) ocupar uma das mãos com outra coisa que não seja a direção. Em quatro meses, eu já consigo aderir ao dutch-way-of-life e me planejar com mais antecedência e a ser mais objetiva. Em quatro meses, eu já amei e odiei minha host family, mas construí com eles um sentimento forte e sem nome, mas que eu sei que nunca vai ter fim.

Em quatro meses, quem sou eu chorando ao ver as fotos de todos os amigos juntos na formatura da minha melhor amiga? Quem sou eu trocando fraldas com uma mão só? Quem sou eu me curando da dor física ou da dor muda que é a saudade? Quem sou eu me apresentando como Dora? Quem sou eu pintando os cabelos de uma amiga numa tarde de sábado? Quem sou eu criando todos esses laços do outro lado do mundo? Quem sou eu descobrindo todas as vantagens e desvantagens de ser quem eu sou - não quem eu deveria ou poderia ser.

Quatro meses e ainda é só um terço. Um terço do ano ou de toda a chance que eu tenho pra descobrir: o mundo, a minha casa, a minha paz, a minha cara. Abro os braços pra me receber todos os dias.

7 comentários:

Thamy Gibson disse...

e quando eu menos espero lá vem você com mais um post me deslumbrando! você fica ansiosa com a hora de "dar" e eu com a hora de "receber", então acho que estamos em pé de igualdade!

adorei saber mais um pouquinho sobre sua viagem ao reino unido. confesso que essa era uma das partes que eu estava mais ansiosa para ouvir.. e Durham foi... inexplicável... suas fotos fizeram com que eu me sentisse em Hogwarts e me emocionasse! imagina então você, andando, vendo e respirando toda aquela atmosfera mágica?? mal posso esperar pra conhecer londres e os estúdios de Harry Potter (que é CLARO que você vai, certo??) através do seu dom poético com as palavras!

sobre as mini-tragédias... eu sei que na hora em que elas acontecem bate aquele desespero e você pensa que nada nunca dará certo, mas temos de admitir que são esses pequenos e assustadores acontecimentos que tornam as nossas experiências tão marcantes e pessoais! e mesmo que você não tenha contado todas aqui, eu aposto que adora cada uma dessas mini-tragédias!!

déborah, você não tem noção do quaaantoo eu estou feliz por você e ao mesmo tempo agradecida por tirar todas as dúvidas que eu SEMPRE tenho! sejam as pequenas, as grandes ou as extremamente idiotas..! kkkkkkkkk
obrigada por compartilhar comigo suas histórias e experiências! você dá, eu recebo e, se Deus quiser, poderei um dia retribuir! :)
espero, realmente, que eu e a jana possamos ser tão afortunadas nessa experiência como você está sendo! s2

deh gouthier; disse...

Thamy <3

Letícia disse...

Trocando fralda com uma mão só? Slow-claps pra você, Dé! Nem a idosa de 6 meses aqui consegue essa façanha! haha

4 meses de muita coisa boa! :))

Laysa disse...

One other good post, but I have to admit I didn't get everything sometimes it was a hard portuguese to get :p
Good luck for all the upcoming adventures you'll have!
saudades bjs

luandinha =) disse...

estou louca pra ir a edimburgo! é bem isso que eu espero mesmo rs veremos!
parabéns pelos 4 meses... e que bom que melhorou logo!

Nathalia Koslyk Pontes disse...

eu não sei se quis mais chorar, te abraçar ou cuidar de você. que saudade dessas palavras tão transbordantes. sinto sua falta todos os dias, para antes dos 4 meses, mas fico muito feliz de te ver crescendo tanto (apesar de tudo). amo você!

Luíza Leão disse...

você é linda. você eh a deh, o abraço. a amiga. você é você aprendendo e se fazendo mais forte. você é de certo modo uma nova você, com todas histórias,aprendizagens e histórias..que a gente lê de longe, e as vezes se vê sentando nos banquinhos do dinâmico te escutando..
Deh, ja foram quatro meses. Jaja voce ta de volta. Voce eh voce numa nova fase. Continue aprendendo muito ai. Tudo isso valerá muito na sua vida, sempre. E depois quando voltar, voce vai sentir saudade pra sempre desse momentos ai.. fico muito feliz pelos seus inumeros aprendizados e amizades novas. e também por saber conservar as amizades que aqui ficaram... tudo isso faz parte da nova voce que esta se construindo.

Postar um comentário

 

Copyright 2010 The Life in Orange.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.