terça-feira, 6 de novembro de 2012

Quando o G tem som de R e as palavras têm o maior número de letras já visto na história da humanidade (dados imprecisos aqui, by the way), as coisas começam a ficar um pouco complicadas. Ok, eu já vim sabendo disso e nunca pensei que seria fácil aprender holandês. A língua é conhecida como a “língua do diabo” e, sério, formar uma frase complexa em holandês (ou dutch ou nederlands, como preferir) é algo assustador.

Meu inglês até dá pro gasto, e aqui eu devo dizer que essa é mesmo uma surpresa. Um salve pra Nath, que não se cansa em me perguntar: mas coooomo você consegue falar tudo em inglês?! Também não sei. A língua flui, e a gente acaba se comunicando. Às vezes trava tudo, às vezes a gente esquece, às vezes vai na mímica ou no Google Tradutor mesmo. E a cada dia que passa eu tenho mais certeza que não aprendi nada de gramática durante a minha vida estudantil. Alô Isadora, teacher de bolso!

Mesmo assim, eu não podia escolher a opção mais fácil, claro, que era aprofundar meus estudos da língua inglesa na Holanda. A bonita aqui sempre tem que escolher o esquisitinho e decidiu estudar holandês. Aproveitei meus longos dias livres na véspera da viagem e consegui aprender umas palavrinhas. Nada de frases, pessoal, pera lá! Palavras soltas e úteis para crianças, nomes de uma ou outra comida e (o que eu fiz de melhor!) aprendi a contar de zero a dez. A minha host, fofa como sempre, me mandou um bocado dessas palavras pra que eu fosse treinando e eu confesso que me esforcei na frente do computador durante dias.

Mas, apesar de bem útil, isso tudo virou piada no momento em que cheguei aqui. Os hosts sempre falam em inglês quando eu estou por perto, para não me “excluir”. E o meu menininho, bom, ele fala língua de criança, então a gente acaba se entendendo. Mas num telefonema, na rua, ou qualquer coisa da vida real lá está ele: o lindo dutch com sons jamais imaginados pela minha amada língua portuguesa.

O problema aumentou com o fato de eu ter perdido quatro aulas, como contei por aqui. As lições são uma vez por semana, e eu cheguei na semana em que a turma já estava na terceira aula. Depois perdi mais outra já estando aqui.  Fiquei com remorso e resolvi estudar um pouco no último final de semana. Eu, os livros e, mais uma vez, o Google Tradutor. Foram horas assim e pareceu que não sai do lugar, não consegui terminar nem o primeiro capítulo.

Pelo menos, com o que aprendi nessa primeira lição, eu já saberia chegar na sala de aula e me apresentar mais ou menos assim: “Ik ben Déborah Gouthier. Ik ben braziliaans en mijn moedertaal is Portugees.”

E na noite de ontem, lá fui eu na minha linda bike desbravar as ruas idênticas de Bussum para a primeira aula. Fora o frio congelando o cérebro e ter ficado levemente perdida, a primeira confusão aconteceu logo na porta (sempre as portas!). A escola é imensa e não tem nenhuma recepção ou secretaria. Uma hora ou outra eu via uma luzinha acesa e um menino tocando guitarra, uma menina tocando harpa, e umas senhorinhas fazendo sei lá o quê. Mas isso eu só fui descobrir depois, porque tive que esperar as tais senhorinhas chegarem para entrar sorrateiramente junto com elas, já que era preciso digitar um código (que eu, naturalmente, ainda não tinha) para abrir a porta.

Ok, me achei. A turma era relativamente grande e dava para ver de cara que era cada um com uma nacionalidade diferente (eu perdi esse dia, no caso, então vou demorar para saber). Me apresentei (em inglês, ufa!) e o professor me acalmou dizendo que não era tão mal assim eu ter perdido o conteúdo. Mostrei pra ele até onde eu tinha estudado e ele fez uma cara incrédula, mas aí é que ele se enganou. Não contava com a minha astúcia! Porque, quando a aula de fato começou, descobri que eles só estavam duas páginas na minha frente. Ou seja, mais um final de semana trancafiada estudando e tudo vai dar certo.

O mais engraçado mesmo era o próprio professor. Um cara alto (como todo mundo aqui!) e com cara de bravo, mas que é todo cheio de piadinhas (típicas dos holandeses). E que, possivelmente, fala um inglês pior que o meu. Ele vai misturando holandês com inglês, que é uma coisa de louco. Acho que aprendo a língua antes de entender direito o que é que ele fala.

Tot ziens!

6 comentários:

Lucas disse...

Haha, boa sorte!
Eu pensei que a língua do diabo fosse o Húngaro (embora tudo é do diabo mesmo..)

Arthur disse...

Deve ser por isso que Holandeses são poliglotas (No hotel que eu fiquei, os recepcionistas falavam Holandes, Ingles, Espanhol e Francês. O BellBoy falava até Portugues e Um mendigo na Rua tinha um inglês impecável), Com uma língua tão dificil assim, aprender mais umas 2 ou 3 deve ser sussa.

Laysa disse...

Oh my god! so you started learning dutch! how brave you are! I know you can do it sweetheart! and once you'll speak it fluently you'll start arabic né? I'll be the teacher pleaaaaase <3 beijos

deh gouthier; disse...

For suuure, Laysa! You will be the perfect teacher for my next "impossible mission" :)) hahaha..

Mariana Barbosa de Amorim disse...

muito bom, arrasa no holandês! depois dele, vai ser fácil aprender outras mil e virar de vez troglodita, digo, poliglota :)

Ana Luiza Cruz Ribeiro disse...

tava muito curiosa em relação ao seu holandes e a culpa era minha, pq eu sumi daqui! hahaha!
muito bom ler suas historias friend, e acho que pelo menos um tiquim vc aprende ;D

Postar um comentário

 

Copyright 2010 The Life in Orange.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.